Gênesis - A família de Ló em Sodoma


“Ele, porém, se demorava; pelo que os homens pegaram-lhe pela mão a ele, à sua mulher, e às duas filhas, sendo-lhe misericordioso o Senhor. Assim o tiraram e o puseram para fora da cidade”   (Gn 19:16)

 Ló era sobrinho de Abraão. O pai dele morreu antes da família sair de Ur dos caldeus. Acompanhou Abraão em suas jornadas (Gn 11:31; 12:5). Ló como seu tio, se tornou rico (Gn 13:5). Os rebanhos dos dois aumentaram tanto que decidiram se separar (Gn 13:6), para não haver contendas entre eles (Gn 13:8).  Ló também era um servo de Deus (II Pd 2.7), mas a aliança de Abraão não servia pra ele. Abraão deixou Ló escolher o local que se instalaria, e este vendo uma terra fértil e boa para criação de gado, foi na direção de Sodoma, na campina do Jordão (Gn 13:11). Além de se separar de um homem bom e justo, seu tio Abraão, Ló levou a família para a região de Sodoma, uma cidade conhecida por sua imoralidade e maldade. No decorrer do tempo, mudou-se para a própria cidade de Sodoma onde os homens eram maus e pecadores (Gn 13:12-13).
 
Houve guerra em Sodoma e Ló foi levado cativo. Abraão sabendo disso reuniu trezentos e dezoito homens bem treinados, nascidos em sua casa e derrotou os inimigos e resgatou Ló, seus bens e as mulheres e o povo (Gn 14:14-17).
 
A família de Ló era a sua esposa e duas filhas. Não é conhecido quando Ló se casou. O primeiro texto que menciona mulheres em companhia de Ló é Gênesis 14:16, já quando estava em Sodoma. Talvez tivesse casado com uma mulher da região, ou já era casado quando se separou da Abraão.
 
Sodoma era uma cidade prosmícua. A sodomia, ou seja, a relação sexual anal, entre um homem e uma mulher ou entre indivíduos do sexo masculino era livre e generalizada por sua população. A falsidade, o adultério, o apoio aos malfeitores (Jr 23:14), a dissolução (I Pd 2:7), a fornicação (Jd 7), omissão perante as necessidades dos pobres mesmo tendo condições de ajudar, soberba e prática de abominações eram cultivados naquela cidade (Ez 16:49-50).
 
 Ló não se sentia bem com a situação e por ser estrangeiro nada podia fazer. Sodoma se tornou motivo de aflição para Ló (II Pe.2.7). Ele se tornou um pregador no meio daqueles ímpios, mas foi motivo de zombaria (Gn.19.14). Suas filhas iriam casar com homens de Sodoma.
 
Deus resolveu destruir Sodoma e as cidades vizinhas por causa de seus pecados e avisou Abraão, que intercedeu por seu sobrinho (Gn 18:23-33). Dois anjos foram enviados a Sodoma para tirar Ló e sua família daquele lugar. Naquele dia, Ló perdeu praticamente tudo. Todos ficaram hesitantes até o último minuto e os anjos tiveram de tomar Ló, sua mulher e suas duas filhas pela mão e arrastá-los para fora da cidade (Gn 19:16). Os noivos de suas filhas não acreditaram nos anjos de Deus, e ficaram na cidade condenada (Gn 19:14).
 
 Havia uma condição. Quando eles saíssem não poderiam olhar para a cidade, devendo ir para as montanhas, ou então morreriam. De madrugada, Ló, sua mulher e suas duas filhas deixaram a cidade. Então o Senhor fez chover fogo e enxofre sobre Sodoma e Gomorra. Ele destruiu as cidades, o vale, os seus moradores e toda a vegetação da região. Enquanto fugiam, a mulher de Ló, em desobediência, não se sabe se por medo, curiosidade ou saudade dos bens que lá deixou, olhou para trás e foi transformada em uma estátua de sal (Gn 19:17,26).
 
A mulher de Ló foi eleita e escolhida para sair da destruição em função do esposo justo que tinha, mas não confiou em Deus. Quem lança mão do arado e olha para trás não é digno do Reino (Lc 9.61).
 
Ló e suas duas filhas foram para uma caverna (Gn 19:30). Achavam serem os únicos sobreviventes no mundo e para continuar a linhagem de Ló, suas filhas o embriagaram cada uma em uma noite, e se deitaram com o ele (Gn 19:31-38). O resultado disso foi o nascimento de Moabe e Ben-Ami, de quem viriam os moabitas e os amonitas, que se tornaram inimigos do povo de Israel, os descendentes de seu tio, Abraão.
 
Ló fez uma escolha errada. Olhou para as campinas do Jordão (Gn.13.10), assim como Eva olhou para a árvore do conhecimento do bem e do mal. A paisagem lhe pareceu “agradável aos olhos” e “desejável”. Com isso, Ló perdeu seu gado, seus bens e sua família.
 
Segundo a Bíblia, o motivo da destruição das cidades de Sodoma, Gomorra, Admá, Zebolim e Bela, também chamada de Zoar, todas no Vale de Sidim, no Mar Morto foram a perversidade de seus habitantes, a imoralidade e a desobediência ao Senhor. Após o retorno de Abraão do Egito, o relato bíblico menciona que os habitantes de Sodoma eram grandes pecadores contra Deus. Porém, isso não impediu uma coexistência pacífica entre os habitantes daquelas cidades com o patriarca Abraão, e com o seu sobrinho Ló.
 
Uma tradição rabínica, exposta na Mishnah(1), afirma que os pecados de Sodoma estavam relacionados à ganância e ao apego excessivo à propriedade, e que são interpretados como sinais de falta de compaixão. Alguns textos rabínicos acusam os sodomitas de blasfemos e sanguinários. Outra tradição rabínica indica que Sodoma e Gomorra tratavam os visitantes de forma sádica. Um dos crimes cometidos contra os forasteiros é quase idêntico ao de Procusto, na mitologia grega, dizendo respeito à "cama de Sodoma", na qual os visitantes eram obrigados a dormir. Se os hóspedes fossem mais altos, eram amputados, se mais baixos, eram esticados até atingirem o comprimento da cama.
 
Conforme a passagem bíblica, Deus fez chover enxofre e fogo em Sodoma e Gomorra, Abraão olhou para Sodoma e Gomorra e viu a fumaça que subia como de uma fornalha (Gn 19:24-28). A chuva de fogo e enxofre pode ter ocorrido pela erupção de algum vulcão na proximidade das cidades, cuja violência é capaz de produzir uma chuva de fogo e enxofre e sua fumaça ultrapassar fronteiras. As cidades daquele vale ficaram submersas pelo Mar Morto, o qual não tem as condições mínimas de vida, o que caracterizou o juízo de Deus sobre um povo iníquo.
 
_____________________________________________________________
(1) - Mishnah: Em hebraico significa “repetição”. é uma das principais obras do judaísmo rabinico e a primeira grande redação na forma escrita da tradição oral judaica, chamada a Toráh Oral

3 comentários:

  1. Anônimo2:11 AM

    Me ajudou bastante para minha pregação.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo5:59 PM

    Mim esclareceu muitas dúvidas para mim pregar... Éh benção

    ResponderExcluir
  3. muito bom esse estudo que Deus abençoe

    ResponderExcluir

1. Reservamos o direito de não publicar críticas negativas de "anônimos". Identifique-se por seu e-mail e pela URL de seu blog ou home page e terá sua opinião publicada.

2. Os comentários serão aprovados segundo nossos critérios. Somente publicaremos os comentários que atendam propósitos relativo ao tema.

3. Discordar não é problema. Na maioria das vezes pode redundar em edificação e aprendizado. Contudo, faça-o com educação. Não toleraremos palavreado torpe, ofensivo e inconveniente.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...