Gênesis - Os Cananeus

Passou Abrão pela terra até o lugar de Siquém, até o carvalho de More. Nesse tempo estavam os cananeus na terra.” (Gn 12:6)
 
 A palavra cananeus é a denominação para os povos que viviam na Terra Prometida na época da chegada de Abrão. Compunham sete nações distintas: os fenícios, os filisteus, os amonitas, os heteus, os jebuseus, os amorreus e os heveus (Dt 7:1).
 
O nome cananeus era a designação geral de todos os habitantes da região da Terra Prometida e planícies em volta. Muitos destes povos eram descendentes de Canaã, filho de Cam, neto de Noé (Gn 10:6,15). Os amorreus eram também uma designação geral, algumas vezes aplicada a todos os habitantes, porém mais especificamente a uma tribo que habitava ao oeste do Mar Morto.
 
Algumas das cidades antigas fundadas pelos cananeus são Gezer, Meguido, Jericó, Sodoma, Gomorra e Jerusalém (Gn 10:19). Canaã era uma terra promissora e própria para a agricultura e pecuária (Gn 3:8).
 
A primeira guerra registrada na história bíblica aconteceu entre quatro reis mesopotâmios e cinco reis cananeus (Gn 14).
 
Os cananeus são descritos na Bíblia como grandes e poderosos, idólatras, supersticiosos, profanos e iníquos. A terra dos cananeus, Canaã, era a terra prometida para Abrão e os patriarcas como herança.
 
A religião dos cananeus era politeísta, identificada com a natureza e seu objetivo era ensinar aos homens cooperarem e controlarem o ciclo das estações tendo em vista os interesses agrícolas.
 
O deus principal da religião cananéia era El. Sua mulher era Asera e, também, casou-se com três irmãs suas. Dos setenta filhos que gerou, Baal foi o mais famoso. El matou seu irmão e alguns de seus filhos. Cortou a cabeça de sua filha, castrou seu pai e a si mesmo e obrigou a seus concidadãos a fazerem o mesmo. A irmã e amante de Baal, chamada Anat, converteu-se na vil e depravada deusa da paixão da guerra e da violência e lutava contra os inimigos de Baal.
 
Baal era o “senhor da terra” e deus do tempo atmosférico. Sua esposa Astarote, era a personificação do principio reprodutivo da natureza, Os babilônicos a chamavam de Istar e o nome romano e grego era Astarte.
 
Por Canaã ser totalmente dependente da chuva para suas plantações, foi muito conveniente tomar para si o deus da chuva do povo amorreu. Baal era deus da chuva, do trovão e da fertilidade do solo. Nada mais conveniente para um povo que vivia da agricultura. Para os cananeus, a chuva era o sêmen de Baal caindo sobre a terra, tornando-a fértil, como um homem torna fértil uma mulher com o seu sêmen.
 
Para os cananeus, Baal era o senhor do tempo; ele fazia chover, trovejar ou fazer sol. Ele era adorado principalmente nos montes, ou lugares altos. Mas podia também ser adorado em qualquer lugar que tivesse um Astarote (um pedaço de tronco fincado na terra, igual a um totem). Isso porque a esposa de Baal, Astarote, era simbolizada por qualquer tipo de pedaço de árvore ou planta. Jezabel, princesa sidônia, mulher inescrupulosa, vingativa, diabólica, terrível perseguidora de profetas e esposa do rei Acabe, era adoradora de Astarote (I Rs 16:31-33).
 
 Com a idéia do sêmen de Baal caindo sobre a terra em forma de chuva, os cultos a Baal centravam-se na atividade sexual.
 
O deus nacional dos amonitas cananeus era Moloque (I Rs 11:7). Os cananeus tinham como prática religiosa comum o sacrifício de crianças imoladas em chamas (Ez 16: 20-21).  Dois reis de Judá, Acaz e Manassés, abandonaram a adoração do verdadeiro Deus de Israel e sacrificaram seus próprios filhos a Moloque (2 Rs 16:3; 21:6)  Seus sacerdotes eram sodomitas e as sacerdotisas prostitutas. Existiam outros deuses cananeus e o culto a eles consistia em orgias.
 
A religião cananéia era grosseiramente sexual e perversa. Requeria no culto o serviço de homens e mulheres prostitutos, disponíveis como sacerdotes. A pessoa para adorar a Baal tinha que copular com um ou vários desses sacerdotes. Isso é visto no livro de Oséias. A sua esposa não era simplesmente uma prostitua, era uma sacerdotisa de Baal (Os 4:11-14). Essa era a mitologia cananéia que os hebreus encontraram ao sair do Egito. E foi com essa mitologia absurda que eles se contaminaram.
 
A religião dos cananeus era a mais pervertida sexualmente, moralmente depravada e sangrenta de toda a história antiga. Foi por esse motivo que Deus ordenou exterminar aquela cultura, as cidades e o povo cananeu.
 
Deus ordenou que os hebreus não devessem fazer aliança com os cananeus; não temê-los; não se misturar com eles em matrimônio;  não seguir sua idolatria; não seguir seus costumes e destruí-los sem misericórdia, não deixando vestígios de sua idolatria (Dt 7:1-5). A destruição total dos cananeus era necessária para salvaguardar os hebreus da influência idólatra e pecaminosa (Dt 20:17).
 
A destruição das cidades cananéias e seus habitantes demonstram um princípio básico de julgamento divino: Quando o pecado de um povo alcança sua medida máxima, a misericórdia de Deus cede lugar ao juízo (Js.11:20-23). Deus já aplicara esse mesmo princípio, quando do dilúvio (Gn 6.5-7,11-12) e da destruição das cidades iníquas de Sodoma e Gomorra (Gn 19.24-25).
 
Depois de chegar a Canaã, os israelitas passaram a chamar de Baal os deuses da região. No século IX a.C., Jezebel pretendeu substituir o culto de Iavé pelo de Baal (I Rs 18:13,19), o que provocou o repúdio deste. Baal passou a representar para os israelitas, a abominação e os falsos deuses.

31 comentários:

  1. muito interessante, gostei, Deus abençoe.

    ResponderExcluir
  2. muito bom, gostaria que colocasse as fontes bibliografica, esta de parabems

    ResponderExcluir
  3. Anônimo7:20 PM

    gostei muito ! parabens !

    ResponderExcluir
  4. barbosa10:59 PM

    gostei eu sou bibliomano Francisco Barbosa

    ResponderExcluir
  5. Que mentira deslavada querem esconder a verdade da história provando que o cristianismo e o judaismo ainda é até hj um atraso para o conhecimento da história, um dia a hisdtória vos condenará como um cancer na história.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Correto sua observação. E outra, veja que colocam os CANANEUS como em uma situação de CASTRAR mas, quem sabe NÃO seria o mesmo TROÇO do ERRO como CIRCUNCISÃO ??? Colocaram CASTRAR para NINguem associar com os mesmos autointitulados ESCOLHIDOS que viveram lá por uns bons anos, e aprenderam TUDO do mesmo ERRO.

      E mais como saber quem era e qual o NOME da esposa de JUDÁ ??? Uma CANANEIA ??? Há, e mais, o PRÓPRIO JUDÁ deu um TAPA na sua NORA sem saber ??? Em um ato sexual esse cara NÃO viu que era sua NORA ??? Mas, tem um outro problema: é considerado JUDEU/ISRAELITA/HEBREW(HABIRU???) só quem é filho/filha de MÃE JUDIA ??? Como fica isso ???

      Abraço.

      Excluir
    2. Meu Deus.
      O cristianismo tem sim sua raiz no judaismo.
      Não se esqueça que Jesus era judeu.
      Vc está igual a Aldeia.

      Excluir
  6. Anônimo12:49 PM

    muito edificante e aproveitoso esse ensinamento. pude aprender muito sobre esse povo.

    ResponderExcluir
  7. Anônimo4:03 PM

    A informação sobre esses cananeus não tem nenhuma importância histórica. Na real eram apenas uns idiotas descendentes do tal do ridículo Cam. Apenas isso. Pura bobagem. Não temos prova nenhuma desse tal de Cam. Tudo isso é mito, dados para patetas que se deixam levar e acreditar na religião.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo7:45 PM

      vai converter primeiro antes de falar besteira O Dniel S.Rachedel

      Excluir
    2. sonia saraiva10:46 AM

      Q bom ter fontes d estudo tao esclarecedoras! Deus o abençoe...

      Excluir
    3. Anônimo5:35 PM

      Cam , era o filho de Noé. Portanto é um personagem histórico bíblico. Sua tribo originou-se em terras africanas. A terra de Canaã, primeiro foi oferecida por Deus para Abraão. Vamos estudar um pouquenho mais para não falarmos besteiras!

      Excluir
    4. Poderia ser mais especifico?

      Excluir
  8. Anônimo3:21 PM

    Muito bom!

    ResponderExcluir
  9. Anônimo11:19 PM

    Ótimo estudo. Muito esclarecedor.

    ResponderExcluir
  10. Anônimo3:44 PM

    Muito bom a desenvoltura e muito bem exclarecido ..
    Bom trabalho .

    ResponderExcluir
  11. Muito bom,gostei do estudo,a religião dos cananeus,assim como a dos gregos não eram mitologias,eram reais,os demônios se manifestavam,era de verdade,davam falsas doutrinas a eles,assim,como se manifestam hoje nos terreiros de macumba.

    ResponderExcluir
  12. Ótimo, gostei bastante, de grande importância para o estudo na igreja.

    ResponderExcluir
  13. Se Jeová ordenou a matança de um povo, então ele não é diferente de Baal. Desde a antiguidade os hebreus/judeus sempre se julgaram superiores e invejosos dos bens dos outros povos, por isso os dizimavam e tomavam seus bens como espólio. Por isso mataram os cananeus, pela fertilidade de suas terras.Se os cananeus vivessem em solo improdutivo, pouco se importariam com sua idolatria sequer os matariam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depois de ler tudo isso você ainda é capaz de escrever uma coisa dessas...Por um acaso acha que reinos de pura maldade seriam combatidos com rosas? Faça-me o favor né

      Excluir
    2. Anônimo2:36 PM

      Como vc é capaz de dizer tamanha blasfêmia contra Deus? Pra esse pecado não há perdão... Fim dos tempos mesmo...

      Excluir
    3. Ele é muito diferente de Baal, primeiro pq é um Deus Vivo, ele escolheu aquela terra pq lá nasceria o descendente Jesus que salvaria a humanidade- plano maior , não faziam isto como costume, só se defendiam, nesta ÚNICA VEZ por um propósito maior fizeram isso; segundo que isto aconteceu depois de 400 anos ou seja Deus dá tempo pra as pessoas mudarem...se vc ver uma cça recém nascida queimando no fogo, vc a acode? Se sim, vc agiria se tivesse poder, assim como Jeová o fez..

      Excluir
  14. Paulo Sauer9:16 PM

    Concordo com a Rosangela ... A destruição dos cananeus só pode ter ocorrido por motivos econômicos...

    ResponderExcluir
  15. Anônimo7:22 PM

    amei essa mini aula

    ResponderExcluir
  16. hugo De Nardi de Paula12:28 PM

    castrar, pode ser uma referencia a castro(https://pt.wikipedia.org/wiki/Castro).

    ResponderExcluir
  17. Muito bom.
    Aprendi muito.
    Obrigada

    ResponderExcluir

1. Reservamos o direito de não publicar críticas negativas de "anônimos". Identifique-se por seu e-mail e pela URL de seu blog ou home page e terá sua opinião publicada.

2. Os comentários serão aprovados segundo nossos critérios. Somente publicaremos os comentários que atendam propósitos relativo ao tema.

3. Discordar não é problema. Na maioria das vezes pode redundar em edificação e aprendizado. Contudo, faça-o com educação. Não toleraremos palavreado torpe, ofensivo e inconveniente.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...